Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

saraupairinstates



Sexta-feira, 03.12.04

Adeus...

ADEUS, Eugénio de Andrade

Já gastámos as palavras pela rua, Meu Amor,
E o que nos ficou não chega
Para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
Gastámos as mãos à força de as apertarmos,
Gastámos o relógio e as pedras das esquinas
Em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
Era como se todas as coisas fossem minhas:
Quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes
E eu acreditava.
Acreditava,
Porque ao teu lado
Todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
Era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
Era no tempo em que os meus olhos
Eram realmente peixes verdes.
Agora são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade,
Uns olhos como os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor
Já não se passa absolutamente nada.
E, no entanto, antes das palavras gastas
Tenho a certeza
Que todas as coisas estremeciam
Só de murmurar o teu nome
No silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
Não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.


Quando a minha Mãe me mostrou este poema do Eugénio de Andrade, eu Adorei-o logo, de uma forma meio infantil: queria arranjar um namorado de olhos verdes, para, quando a nossa relação acabasse, eu mandar-lhe uma carta com isto escrito.

Eu já senti o Amor descrito neste poema, há uns anos atrás, por breves meses. O que ficou foi exactamente isto.

Agora, em vez de ter vontade de arranjar um namorado para dar este poema no fim, gostava de ter um namorado para sentir e partilhar o Amor por trás desta despedida.

Mas, se toda a gente tivesse aquilo que quer, isto deixava de ter piada.
Vou-me contentando com a vida que tenho(mais ou menos).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por foreverthirtyfive às 20:51


9 comentários

De Sara a 30.11.2005 às 13:38

Pois, António... Tem toda a razão. Nem tinha repardo! Que descuido lamentável! Má interpretação da minha leitura. Bem, lá se foi toda a minha fantasia então. ;)
Obrigada pela correcção.
Não percebi foi a do 'estar a sofrer-te'.

De António a 29.11.2005 às 16:25

No poema, quem escreve é quem tem os olhos verdes, para o teu caso ao dares o poema estarias a substituir quem o escreveu, logo serias tu a pessoa de olhos verdes e não o ex-namorado...
desculpa qualquer coisinha, o que me trouxe aqui foi a neve, mas acabei com interesse por estar a sofrer-te
xxx

De Carolina a 12.12.2004 às 05:35

Oi,
Achei eu blog na internet e resolvi te escrever porque estou indo morar em Portland como au pair... se puder me amnda um e-mail para que possamos conversar melhor.
Até mais,
Carol

De Sónia a 10.12.2004 às 11:02

blaght!!!!!!são os comentários mais parvos e lamechas que vi nos ultimos tempos.Que necessidade é esta de troca de galhardetes? Uma diz è lindo, a outra diz logo que é maravilhoso, mas vem logo uma terceira que diz que é um espectáculo, a verdade é que acaba por soar a falso.
De qualquer forma sara o teu blog é muito elucidativo de como é a vida de uma aupair, com os seus altos e baixos como a vida de todos nós.
Um beijo

De Carla a 09.12.2004 às 00:57

Eu também ficaria... Tudo o que conheço dele acho lindíssimo :) Beijo grande à mamã e filha tão bonitas :)

De Mámon a 06.12.2004 às 09:02

Eu amo o Eugénio de Andrade. Penso que tenho tudo dele. Tive a sorte de o conhecer pessoalmente, no Porto. Parecia uma tolinha nesse dia, fiquei extasiada por o ter ali à minha frente e falar com ele....

De Carla a 05.12.2004 às 21:12

Eugénio de Andrade é um poeta fantástico. Tudo o que leio dele... não leio, bebo. Voltar a amar é, acima de tudo, voltar a acreditar :) Beijo grande :)

De Máma a 04.12.2004 às 12:22

Vários sentimentos me invadiram quando vi que tinhas transcrito o " Adeus " de Eugénio de Andrade... Sorri com muita ternura com o que escreveste. Achei imensa piada ao teu primeiro desejo. Reconheci-te como mulher no segundo. Até me vi a mim na forma como escreveste. Vais voltar a amar assim, outra vez, minha querida. Duma forma renovada como todos os novos amores...

De Susana a 04.12.2004 às 11:30

"(...) Deixa dizer-te os lindos versos raros/que a minha boca tem pra te dizer!/São talhados em mármore de Paros/cinzelados por mim pra te oferecer./Têm dolência de veludos caros,/são como sedas pálidas a arder.../Deixa dizer-te os lindos versos raros/que foram feitos pra te endoidecer!/Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda.../Que a boca da mulher é sempre linda/se dentro guarda um verso que não diz!/Amo-te tanto! E nunca te beijei.../E nesse beijo, Amor, que eu te não dei/guardo os versos mais lindos que te fiz!(...)" - Florbela Espanca
Todos temos um verso para dar e outro para receber, cabe a cada um saber esperar e distinguir por entre a multidão quem merece o nosso verso, o que é muito mais difícil, mas como dizem os antigos "Cada panela tem a sua tampa", por isso resta-nos a tranquilidade de saber esperar e a capacidade de amar quando aparece na nossa vida quem nos mereça.. ;) E como já me alonguei demais neste comentário, um beijinhos para ti.. ;)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2004

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031